• Av. Marginal 12 de Julho, perto dos Correios
  • +239 2223024
  • geral@empreendedorismostp.st
Noticias - Empreendedorismo Social

Noticias - Empreendedorismo Social (4)

terça-feira, 16 novembro 2021 10:30

STP JÁ TEM UM CLUBE DOS EMPREENDEDORES SOCIAIS

Escrito por
São Tomé e Príncipe possui doravante um clube dos empreendedores sociais .
Trata-se de uma iniciativa dos empreendedores e mentores sociais do primeiro Programa de Empreendedorismo Social levado a cabo pelo MJDE e o PNUD, em 2019. O clube tem como objetivo unir os empreendedores sociais de modo a partilhar informações, conhecimentos, ideias de forma a incentivar inovações e propor soluções para os problemas que afetam a todos.
quinta-feira, 18 novembro 2021 10:12

19 DE NOVEMBRO- DIA MUNDIAL DO EMPREENDEDORISMO FEMININO

Escrito por

Celebra-se hoje, 19 de Novembro, o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino.

A data foi criada em 2014 pela Organização das Nações Unidas (ONU) numa iniciativa liderada pela ONU Mulheres, que ficou a cargo de reunir mais de 150 países, empresas e instituições em busca de apoio a esse público e contra a desigualdade salarial no ambiente corporativo.

Esta data é de capital importância para as mulheres pois tem como objetivo evidenciar e valoriza-las  como protagonistas no campo empresarial.

A busca por equidade de género e igualdade salarial faz parte de uma longa jornada na trajetória profissional de mulheres em todo o mundo. Segundo o Fórum Económico Mundial (FMI), serão necessários 136 anos para que a igualdade entre homens e mulheres seja alcançada globalmente.

Actualmente, São Tomé e Príncipe  conta com um número considerável de empreendedores , entre eles, mulheres .

Durante a pandemia da Covid-19, o número de mulheres que empreendem cresceu de forma gigantesca graças aos programas de incentivo do governo e dos parceiros. Diante disso, o Dia do Empreendedorismo Feminino celebra as mulheres empresárias e fomenta o debate em prol de acções que eliminem de vez barreiras e incentivem mulheres a alcançar a independência na liderança de empresas.

 

A comunidade de Agostinho Neto, distrito de Lobata, foi o cenário escolhido para o lançamento do projecto de “Empoderamento das Raparigas” que tem como objetivo principal a realização da estratégia nacional de género.

Trata-se de um projecto composto pelas seguintes componentes: aumento de capacidade técnica empresarial através da UNICEF,  aumento do acesso ao financiamento de startups  lideradas por mulheres em situação de vulnerabilidade através do PNUD, aumento da capacidade de associações de startups lideradas por mulheres através da OIT e aumento de redes de segurança relacionadas com a educação disponível para as raparigas em situações de vulnerabilidades  através da UNICEF.

O projecto destina-se à raparigas dos 18 aos 24 anos que já passaram por situações de gravidez precoce, que estejam em risco de abandono escolar e aquelas que por algum motivo abandonaram as escolas.

Na altura o Ministro da Juventude, Vinício Pina, sublinhou a importância do projecto porque " te- se constatado nos últimos tempos, um número cada vez maior desta franja da população com idade escolar  a abandonarem os seus estudos, sobretudo neste período pandémico devido diversos factores mormente, económico, social, financeiro, dentre outros, principalmente, as jovens mulheres o que poderá ser perfeitamente revertido com este projecto de forma bem definido, implementado para combater este índice crescente que graça a nossa sociedade ".

 Ao longo do projecto serão implementadas formações na área de empreendedorismo como ferramenta de capital importância capaz de permitir que as raparigas estejam melhor integradas na sociedade de forma que elas sejam suas próprias soluções, dos seus familiares e da sociedade.

O representante do UNICEF por sua vez pontuou que “devemos trabalhar para que cada família, cada mulher, cada jovem, cada adolescente e cada criança possam desfrutar de uma vida familiar, de um contexto social favorável à sua saúde e bem-estar e desenvolvimento. De facto como sabem, as mulheres, raparigas e as crianças são infelizmente as mais afectadas especialmente no que diz respeito aos impactos socioeconómicos desta pandemia ”.

O projecto tem a duração de 3 meses e conta com o apoio do UNICEF, do PNUD e da OIT para o desenvolvimento de capacidades de 180 raparigas que abandonaram a escola proporcionando formações em competências para a vida, educação sexual e corte e costura, empreendedorismo, etc.

O projecto pretende fazer com que as raparigas frequentem as escolas e estejam informadas sobre oportunidades profissionais e desenvolvam outras competências a nível do empoderamento das mulheres.

 

No quadro das actividades da SDG-Fund, fundo conjunto do Sistema das Nações Unidas para inclusão e capacitação das famílias e jovens, a Direcção de Empreendedorismo iniciou em em Ponta-figo, distrito de Lembá, a primeira Jornada de Orçamento Familiar, Poupança e Disseminação da cartilha de Empreendedorismo Social para  cerca de 300 famílias e jovens distribuídos por 13 Localidades do País.
 
Este programa resulta de um Fundo das Nações Unidas, colocado a disposição dos países no âmbito dos #ODS para implementação de um programa catalisador com focos na Protecção Social. Ao nível Mundial, 24 países foram selecionados e São Tomé e Príncipe ficou no 2º lugar na apresentação das propostas.
 
Orçado em U$D 2 milhões de dólares norte americanos o Programa Conjunto foi implementado sob liderança do Ministério do Trabalho, Solidariedade, Família e Formação Profissional em estreita colaboração com o Gabinete da Coordenadora Residente e outros três Ministérios (da Saúde, da Juventude, Desporto e Empreendedorismo e o Ministério da Educação) e outras quatro Agências das Nações Unidas (PNUD, Unicef, OMS e OIT).
 
O programa tem como objetivo apoiar o Governo na implementação do Registo Social, do programa de educação parental, engajamento dos Jovens, através do empreendedorismo social e acesso à Saúde e nutrição com a monitorização e gestão de casos através do DHIS2.
 
A implementação desta actividade nos  distritos sinalizados  (Mé-zochi, Água Grande e Lembá),  surge da necessidade de promover a inclusão financeira e despertar nos jovens o interesse em planear para poupar e investir, capacitando-os e munindo-os de ferramentas que possibilitem na criação dos seus próprios negócios.